Páginas deste Blog

sexta-feira, 5 de março de 2010

A teoria e a prática da submissão!


Lendo, conhecendo e conversando com pessoas ao longo da minha trajetória dentro do BDSM, sempre percebi que a submissão é vista e praticada de formas bem diferentes.

O que exponho aqui são alguns estratos de reflexões pessoais, construídos com minha vivência e com opiniões de outros praticantes, discordantes ou concordantes à minha ideologia sobre o assunto.

Definir a submissão (comportamentos e atitudes) não é tarefa simples pela multiplicidade de formas e pelo subjetivismo que o assunto permite. Desse modo, é muito mais sensato e lógico tentar separar a forma da essência, sem nunca antes esquecer que a essência DEVE(ria) sempre predominar sobre a forma.

Qual é a essência da submissão?

Minha resposta é: abdicar te desejos e vontades pessoais para realizar os desejos e as vontades do seu Dominante, entregando-se de corpo e alma na relação. Óbvio dizer, porém nunca tarde para lembrar, sempre dentro do SSC, com respeito, admiração, afinidades, etc., etc., etc.

Parece simples, mas existem componentes complexos a serem observados. O primeiro deles é desmistificar que a submissão é um eterno “mar de rosas”. Algumas mulheres que adentram no BDSM o fazem após lerem contos românticos, verem fotos sexy´s, etc., imaginando que poderiam estar no lugar daquelas personagens. Sonham com amores eternos e DOM´S montados em cavalos brancos salvando-as de suas angústias cinzentas num simples estalar de dedos (como um passe de mágica).

Antes de tudo é preciso saber que a submissão também é companheira da dor; a dor da espera; da repreensão; do castigo; da solidão; e principalmente a dor da mudança... E que essa mesma dor será o bálsamo que a libertará, estando ela presa ao seu Dominante; assim, a submissa também é uma masoquista, mas não apenas, e necessariamente pela dor física.

Não estou escrevendo para desencorajar ninguém, apenas para alertar as iniciantes, bem como as que já estão no meio, mas que ainda não sabem se são ou não submissas.

Conceituada a essência (ou pelo menos uma tentativa, não sei se com a concordância de todos os leitores, mesmo porque é nas diferenças que crescemos), cabe agora tentar descrever a forma, e a pergunta para isso é: De que forma e em quais momentos uma submissa está disposta a abrir mão dos seus controles, transferindo-os para seu Dominante?

Apenas em sessões? Dentro de todo meio BDSM? Por completo – vida pessoal, social, etc.? Vejam que perguntei de que forma e em quais momentos, e não em que proporção, pois está se refere à essência!

Esta resposta, após uma longa reflexão é extremamente fundamental, pois delineará a facilidade ou a dificuldade da submissa no seu período de transição, i.é., do momento em que decidir por livre e espontânea vontade entregar-se ao seu Dono e por Ele ser moldada, modificada e reconstruída para, e tão somente para, a Ele se submeter, obedecer, fazer, realizar e agradar.

Não existe coação... À submissa é dado todo o direito de dizer sim ou não para sua entrega, bem como, o direito inalienável de terminar a mesma relação que iniciou por vontade própria, porém, enquanto estiver portando a coleira de seu Condutor, dentro do formato acordado tacitamente, é ao seu Dono que a submissa deve respeitar e obedecer, e assim o faz por necessidade e prazer. O mesmo prazer que o DOM tem em conduzir e ordenar tem a submissa em ouvir e realizar. Este prazer tem morada dentro da alma da submissa, dos atos, pensamentos e desejos, ou seja, não é só na cama que o prazer acontece!

Isto posto, o contexto que envolve os prazeres da Dominação e submissão são por vezes separados por linhas muito tênues e imperceptíveis, que acabam destruindo castelos (de areia), provocando assim desilusões.

De outro lado, é mais que sabedor que uma relação D/s pura, intensa e plena, seja lá em qual formato for, é extremamente prazerosa. É vida; é liberdade de ser o que se quer ser, rompendo paradigmas hipócritas e permitindo à submissa gozar, tanto pela dor da transformação, como pelo prazer da dor.

2 comentários:

EU SOU NEGUINHA disse...

Vim agradecer a visita...e te linkando aqui..
Beijos da Nega

☆... kuja ...☆ disse...

Belissimo texto... Parabéns!!!

Beijos doces

(cecille)_SH