Páginas deste Blog

sábado, 10 de julho de 2010

Engraçado?

Eu não posso deixar de me pronunciar sobre uma situação desagradável que aconteceu há poucos dias atrás. Em 04/07/10 publiquei um post neste blogger intitulado “Aproveitando a deixa...”, onde expresso minha posição em relação à zoofilia. No mesmo dia, no blogger http://cantinhodanynna.blogspot.com/, a srta nynna publicou o post “Zoofilia, a bola da vez”, onde também externa sua visão sobre o assunto.

Alguns dias depois tomo conhecimento que a srta ísis publicou, neste mesmo dia 04, em seu blogger http://tattourouge1.blogspot.com/ o post “Engraçado...”, cuja minha leitura feita através do resultado que tal texto proporcionou, foi a de agredir, tanto a minha pessoa como a srta nynna. Se este foi o objetivo? Não sei e nem me interessa mais.

Vamos aos fatos. Em 31/05 a srta ísis uniu alguns textos da internet e publicou um post intitulado “Zoofilia ou bestialidade...”, onde apresentou definições, teorias e aspectos psicológicos, fatos históricos, questões legais e a entrevista de uma atriz de filmes bizarros (zoofilia). O texto foi recebido pelos leitores de diferentes formas, expressas em comentários que demonstraram interesses, curiosidades, repugnância, espanto, comparação à pedofilia, esclarecimentos, polêmicas, entre outras. Enfim, prós e contras, todos recebidos de forma democrática.

Em 26/06 o mesmo blogger publicou o texto “Preconceito...no BDSM? Como assim?”, que abordou a existência deste comportamento dentro do BDSM em relação à zoofilia, além de se posicionar em relação ao assunto. O texto abriu comentários interessantes e reflexivos, igualmente recebidos de forma democrática.

Em nenhum momento realizei comentário(s) nos referidos post´s e, quando publiquei o meu, fiz sem referenciar, criticar ou atacar a srta ísis, de forma que, gostaria de entender algumas coisas.

Por que a minha posição, bem como a da srta nynna, contrárias à dela, motivaram um ataque de forma tão agressiva, sendo que, alguns de seus próprios leitores, também contrários a esse tema, não receberam o mesmo tratamento que eu e a srta nynna recebemos?

Por que minhas palavras foram deturpadas e utilizadas contra minha pessoa através de um texto mal construído e contraditório que provocou em alguns de seus leitores a formação de um inconsciente coletivo agressivo, sendo que, a responsável e estes demais não me conhecem como homem, como pai, como profissional e nem mesmo como bdsemista?

Por que eu como bdsemista não posso externar minha posição sobre um determinado assunto – seja ele polêmico ou não e, ao invés de ser agredido, ser convidado para um debate construtivo e aberto?

Srta ísis, seus textos não me motivaram a nada! Meus motivos foram outros, até porque, se eles tivessem provocado meu start, eu teria escrito de forma muito mais consistente para sustentar e fundamentar minha posição sobre o assunto, tendo em vista a riqueza de informações que seus textos contém, bem como de reflexões que geraram.

Destarte, me vejo no direito de expor com mais clareza minha posição sobre o assunto, bem como corrigir a leitura e interpretação de algumas pessoas sobre o que escrevi.

Sobre a Zoofilia, mantenho minha posição de repudiá-la, e o faço com uma ideologia que vai além das questões bdsemistas. É muito confortável fazer uso da palavra preconceito, generalizando-a e banalizando-a. Eu tenho o meu conceito sobre a zoofilia, e não as ausências de conhecimento e reflexão sobre o assunto. Não debater e atacar, sem ter o conceito daquilo que penso, isso sim é idéia preconcebida.

Minha consciência das coisas (não vou discutir aspectos filosóficos, teosóficos ou psicológicos) é formada, conforme Karl Marx, pelo meu ser social (formação familiar, cultural, religiosa, profissional, educacional, etc.), que me permite, assim como a todos, discernir e discriminar aquilo que me faz bem daquilo que me faz mal. A parafilia de ter atração ou envolvimento sexual entre humanos e animais de outras espécies – zoofilia – me é vista como bestialidade, anormalidade, antinatural e desumana, e está para mim, muito próxima da pedofilia. Estruturalmente ambas mantém uma assimetria da cultura e do saber de alguém estar como superior e dominar a cena. Não vejo normalidade num animal dando uma “cantada” num humano, convidando-o ao sexo. Desculpas de que o animal recebe carinho, são as mesmas dos podófilos. Existe uma entrevista do Senador Magno Malta, da CPI da pedofilia, onde ele expõe que existem crianças (pasmem, até de 6 anos!), que ficam viciadas em sexo com adultos. Como elas ficaram assim? Foram condicionadas associando sensações a momentos agradáveis. O animal forma consciência ou é condicionado? Ora, ele é condicionado sem ter consciência do que está fazendo. Para mim, ambas são práticas criminosas. Os animais são desprovidos de malícia e raciocínio, mas são capazes de sentir dor, medo e fome. Como podemos afirmar que esta prática não lhes causa danos psicológicos? Inconcebível está afirmação! A Internet está abarrotada de pesquisas científicas realizadas por órgão idôneos que comprovam a existência destes danos psicológicos nos animais, basta apenas “querer” ler. Então, dentro da minha consciência formada, do meu direito de pensar e expor minhas ideologias, insiro, num grupo de práticas que considero desumanas, criminosas, ilegais, e até hediondas: a pedofilia, a zoofilia, a violência contra a mulher, o estupro, entre tantas outras onde o consenso entre as partes deixa de existir. O consentimento é algo em que podemos dizer não, e mais importante, que este não é aceito. Evidentemente que os animais não podem dizer isso, portanto essa bestialidade é apenas uma forma de contornar esse consentimento. Apenas para citar um exemplo, no The American Heritage Dictionary a definição de bestialidade é "a qualidade ou condição de ser um animal ou como um animal; conduta ou uma ação marcada pela brutalidade e depravação, ou relações sexuais entre um ser humano e um animal”. Sexo com animais é a última definição de bestialidade, enquanto as duas primeiras nos remetem a uma conduta de comportamento animal. Ponderações meramente filosóficas apenas servem, neste caso, para manter os animais sob julgo dos humanos.

Continuando minhas considerações, entramos agora na questão legal, e aqui não vou me estender muito, porque lei é lei! Para isso vou apenas citar o extrato de um artigo publicado em http://www.anda.jor.br/?p=54744, e disponível em vários outros sítios, sobre a posição do promotor de justiça Laerte Fernando Levai. Ele afirma: “Basta analisar os verbos do artigo 32 da Lei 9.605/98 (abusar, maltratar, ferir ou mutilar animais) para concluir que a zoofilia, mesmo que o animal seja induzido ou obrigado a participar, é uma forma típica de abuso. Ora, abuso é o uso indevido, desproporcional, exagerado, que viola as leis da natureza e a própria dignidade daquele que o sofre. Parece-me evidente que, se deixados em condição natural, os cães jamais procurariam uma mulher para copular, assim como uma égua não aceitaria ser penetrada por um homem. Se isso acontece, é porque os animais foram levados a essa situação aberrante, tornando-se, na realidade, vítimas da ação abusiva humana. Vale lembrar, aliás, que a Constituição brasileira veda a crueldade para com animais, mandamento este que acabou sendo acolhido pelo legislador ambiental ao incriminar – dentre as condutas típicas – os atos de abuso em prejuízo deles”.


Diante disto, espero me fazer entender os porquês discrimino (separo, percebendo distinções) e não respeito o ato desta prática, bem como não a considero uma atividade bdsemista, o que, aliás, seria uma enorme contradição, pois antes do BDSM existe toda uma vida social a nos sustentar. Crível então que dentro da tríade SSC a zoofilia deve ser discriminada.

Sobre a interpretação errada de parte de meu texto – que não acredito ser a natureza da autora realizar acusações públicas e infundadas, denegrindo a imagem de outrem – gostaria de esclarecer algumas coisas, e para isso faço uso de extratos do texto “Engraçado...”, já referenciado.

(...)“ mas desculpe-nos, o senhor pode e deve tratar suas escravas e submissas como elas merecem ou o senhor acha que elas mereçam. Elas não são bichos, e não chamamos nenhuma escrava/submissa com esse linguajar”(...)

Srta ísis, se tem alguma dúvida ou questionamento sobre meu comportamento como DOM em relação às escravas/submissas/cadelas/mulheres com quem me relacionei ou me relaciono dentro do BDSM, pergunte à elas. Aliás, uma delas é sua grande amiga, a rebeca. Pergunte-lhe se eu, em algum momento, a tratei como bicho? A nynna também foi minha submissa, mas pelo tom de seu texto, não acredito que lhe faria essa pergunta, mas tenho certeza que ela lhe responderia de bom grado.

O quê eu disse de forma muito clara em meu texto (abaixo), é exatamente o contrário de seu questionamento: tratei, trato e continuarei tratando minhas “cadelas” como seres humanos, e não como bichos.

“As cadelas com quem tive e/ou tenho prazer sexual são seres racionais (decidem, pensam, analisam, aceitam e fazem isso sem serem obrigadas) e não tem pêlos nem 4 (quatro) patas”.

Sobre meu linguajar, quando utilizo o termo “cadelas”, comum entre DOM´s e sub´s, talvez diferencie-se do seu num aspecto. Não é apenas coloquial e tradicional, ele também vem carregado de carinho e admiração pela mulher submissa.

Em relação aos comentários, muitos deles acredito terem sido construídos muito mais a partir do texto “Engraçado...” do que de uma reflexão e conhecimentos mais profundos sobre zoofilia e as pessoas envolvidas pela srta ísis. Nunca tive a pretensão – e sempre deixei isso claro em todos os meus textos – de criar padrões de comportamento ou de ditar regras sobre práticas ou técnicas bdsemistas, tanto que escrevo meus textos com o objetivo de externar minha visão de forma reflexiva e de sempre defender aquilo que, nesta minha visão, considero BDSM.

5 comentários:

[candonguinha]-MS disse...

Oi LB!

Me abstive de comentar seu "Aproveitando a deixa" por ter ficado totalmente abismada em ver uma pessoa que - mesmo por motivos indiretos - até então tinha minha admiração virtual deixando expressa o desrespeito e a discriminação.

Nenhum comentário meu seria tão elegante e inteligente quanto o da nyssa, que me deu voz de uma maneira sintética e me mostrou que esperar, às vezes, pode ser uma boa escolha.

Hoje não esperei. Inauguro os comentários.

Ora, LB, é claro que as suas palavras e as da queridíssima nynna (que tem a minha amizade pessoal, a despeito de nossas visões opostas nesse assunto) foram alvo da munição das Isis porque uma coisa é comentar no blog da pessoa, outra é fazer um post no seu próprio blog.

Não sei se a Isis é capaz de provocar um inconsciente coletivo assim ou assado... O Sr (vou usar Sr às vezes, vc outras vezes, sorry mas escrevo assim) embasou muito bem seu texto e ao longo da leitura do mesmo fui perdendo um pouco do desrespeito e da discriminação que tenho por quem tem desrespeito e descriminação por alguma coisa - sendo que, claro, eu tb os tenho em alguns outros assuntos.

Mas voltando ao inconsciente coletivo, eu tb achava que o termo se aplicava a algo que estava ao mesmo tempo na cabeça de várias pessoas, de modo que elas nem percebessem.

Mas (depois te conto quem, em off, se quiser), uma pessoa me explicou que eu estava super errada, e que é um erro comum. O IC não se forma com as vivências pessoais (esse é o Inconsciente Pessoal), ele é herdado, e é comum à toda a humanidade. A gente tem o mesmo IC de um esquimó e de um tuareg.

A Isis não muda isso não... risos

Aqui vai uma referência sintética:

http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos_Psicologia/Inconsciente_coletivo.htm

Depois dessa, se o Sr ler meu blog, acho que vai pegar cada pequeno engano meu (e os grandes? risos)....

Mas não faço isso com ares de correção, e mais de conversa...

[candonguinha]-MS disse...

Continuando, acho que muitas coisas são contratidórias nessa estória toda, dos posts, e o texto da Isis está longe de ser mal construído, beeeem longe de outros que lemos por aí e que estiveram bem próximos do Senhor....

Agora, nesse esquema de blog, comments etc, salvo as exceções, ng conhece ng como pai, mãe, marido, mulher, profisisonal, filho, filha. Conhece e se relaciona virtualmente pela atuação SM mesmo, e é essa que nos leva a debater esses assuntos.

Assim, creio que ng está lendo o outro sob nenhum dos outros aspectos.

LB, o Sr fala de agressão, mas eu achei seu post de uma agressividade sem tamanho, embora não desse nome a ng. O da Isis, não achei tanto. Então, isso é bem subjetivo. Cada um interpreta de acordo com a sua visão. E sorry, mas o Sr agora falou em debate amplo e aberto, mas não foi ao que me pareceu disposto anteriormente.

Gostei muito do modo como o Sr colocou o processo de formação da sua consciência acerca das coisas... Concordo com vc nesse sentido, tb sinto meu processo de modo parecido.

Discordo, entretanto, na tentativa de analogia entre pedofilia e zoofilia, embora concorde que o animal pode ficar condicionado a "gostar" de sexo com o humano.

Me metendo em confusão,mas não tentando fazer analogia, de forma alguma: mas puxando o gancho, uma sub pode ficar "condicionada" a certas coisas?

Eu, "animala" racional, bípede e sem penas, já fiquei condicionada e com dependência psíquica... risos Consenso? Doença? risos Quem sabe?

Mas voltando ao seu post, legalmente o SM tb é bem complicado, né? E a Lei 9605/98 é a Lei Ambiental Penal, vulgarmente conhecida como Lei de Crimes Ambientais. O Art. em destaque, assim como toda a Lei, se refere a animais silvestres.

Nossos "queridos" cães, gatos, cavalos, bois e afins já foram devidamente violentados por nós ao domesticá-los...risos Uma coisa não justifica a outra, mas essa Lei não ampara animais domesticados, somente nativos e silvestres.

Creio que maus tratos (e aí que está, para alguns zoo é abuso, para outros não) tenham uma legislação específica p/ domesticados.

Bem, Lord, comecei esse "minúsculo" comment cheia de garras e dentes, mas termino usando os dentes apenas para despedir-me com um sorriso.

Gostei muito da evolução do seu texto durante o post e espero que, a exemplo do que ocorre com a nynna, possamos manter o contato apesar (e porque não - justamente por causa) dessas diferenças.

Abraços!

Lord Bondage disse...

Srta {candonguinha}_MS

Obrigado por vir comentar meu post. Sim, tem razão, a srta nyssa sempre foi elegante e inteligente, tanto que conversamos através de comentários, expondo cada um suas idéias de forma mutuamente respeitosa.

Sobre ser alvo de munições (rssss), vou repetir, escrevi meu pequeno post sem a intenção de fazê-lo a srta ísis, se ela achou isso, achou errado.

Sobe o IC (Inconsciente Coletivo), agradeço-lhe a devida correção do termo, pois além da referência que me passou, fui também buscar em outras fontes.

Sobre estar mal construído, tanto do lado de cá, como do lado de lá; sobre julgos pessoais (eu acho, eu entendo, eu leio assim, foi o que me pareceu), enfim, são questões pessoais, que se continuarmos a levar à discussão, ai sim iremos ao encontro de algo não podutivo e pessoal, o que acho desnecessário, tanto que isso cabe inclusive às analogias sobre zoofilia e pedofilia (eu tenho as minhas, você tem as suas), à interpretação da legislação, que a srta diz referir-se a animais silvestres, mas o legislador também incluiu a palavra “domésticos”..., que cada um faça bom uso de modo de pensar e agir

Bom, eu coloco um ponto final nessa questão de réplicas e tréplicas de post´s, pois não criei um blogger para isso.

Saudações

Lord Bondage

{ÍsisdoEgito}JZ - Tua, somente tua disse...

Bom dia Lord Bondage,

Agradeço por ter ido ao blog e deixado seu comentário por lá.

Espero realmente que, tendo havido algum mal entendido, que este mal entendido esteja resolvido de vez.

Na realidade, o blog é um excelente lugar para deixarmos nossas atitudes e pensamentos.
Mas estamos contudo, sujeitos por acabar trazendo algumas reflexões errôneas e que nem sempre representam exatamente o que queremos dizer, como se estivessemos cara a cara com a pessoa.

Falar e mostrar sentimentos, através de escritos, as vezes, geram "entonações" que dependem do dia em que lemos.....

Da parte do senhor Jun Zurik, e da minha, fica o convite para que se sinta à vontade de vir aqui no nosso blog.
E seja sempre bem vindo a deixar suas idéias e comentários, quando lhe for convêniente.

Abraços respeitosos,

Zun Zurik e ÍsisdoJun

¥ nyssa ¥...ÅS disse...

Ah, que pena,LB, acho que o comentário que escrevi não foi enviado...
Bem, mas acho que tudo já foi falado.
Comento em outro post ;)
Saudações